6 Novas formas de eliminar as dívidas

Dados recentes da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) revelam: “Número de brasileiros endividados cresce para 63,1 milhões”. Destes, os compromissos financeiros com bancos lideram com 10% de crescimento só em novembro, acompanhados de 9% referente à serviços como Internet e 7,1% à contas básicas.

Com base neste cenário, resta saber: qual a representatividade das classes D e E? São apenas as classes mais baixas que encaram dificuldades financeiras, não? Errado. Ao contrário do que se imagina, tão pouco sabem ou acertam as crescidas crianças de famílias mais favorecidas, afinal ambas não tiveram Educação Financeira.

O desenvolvimento financeiro de cada indivíduo ocorre ou é bloqueado por uma série de fatores, entre eles, entre os mais relevantes: as crenças. No entanto, através da eduação e da aplicação de determinadas técnicas a serem descritas a seguir, é possível desafiar antigas crenças e quebrar com padrões e tendências. Ou seja, ter sucesso quando tudo indicaria o fracasso.

Não existe mistério ou magia. Principalmente tratando-se de números! Similarmente ao que se viu no texto Aplicando o décimo terceiro em renda fixa não é do dia para a noite que se constrói um mestre da etiqueta. Se uma criança aprendeu a vida toda a comer de uma determinada forma, a tendência é que ela permaneça assim, contudo, percebe-se que o influenciamento e a força de vontade humana, através da reeducação podem proporcionar a tão desejável mudança.

Parte do porquê este espaço (blog) foi criado. Para proporcionar reflexão, inspiração, engajamento, repasse de técnicas, metodologia e conversas que possibilitem não apenas a mudança de comportamento que trará o sucesso, como também o fim da associação de gestão financeira com algo duro, impossível, empírico e ocasional. Tendo Intimado a comentar e postar dúvidas, às dicas:

  1. Cuidado com o número de parcelas!

Tratando-se de Juros Simples, quanto maior o prazo, melhor, afinal estamos diluindo o juros e o que se paga ao mês acaba sendo pouco. Já no caso de Juros Compostos, o oposto ocorre, quanto maior o número de parcelas, mais se paga de juros;

  1. Atenção na Tabela do empréstimo!

Existem duas tabelas: a PRICE e a SAC, sendo a segunda mais comum para prazos superiores a 10 anos. Os convido a acessarem o site: http://www.calculador.com.br/categoria/financeiro e compararem usando os mesmos números em ambas;

  1. Escolha a intituição financeira!

Muitas vezes para resolver um problema, criamos outro. Ir direto no seu banco pedir ajuda pode resolver de imediato, entretanto pode-se pagar exorbitantemente mais do que cotando outras possibilidades de mercado. Se orçamos em todas as outras áreas, porque não fazer o mesmo aqui? (O mesmo vale para investimentos);

  1. Pense fora da caixa!

Para se livrar de dificuldades financeiras, não necessariamente a solução está em ganhar mais ou pedir empréstimos, por vezes reduzir custos já basta! Além disso, com o advento da internet, pode-se comercializar qualquer tipo de produto e serviço para se obter uma renda extr No que mais você poderia ajudar as pessoas?

  1. Planeje os seus gastos!

Pagar a parcela do seu empréstimo pode simplesmente não compensar, se não houver nenhum bem alienado ao compromisso, pode-se fazer uma estratégia de acúmulo e negociação, ainda que esta estratégia seja psicológicamente desafiadora (prepare-se para receber muitas, muitas ligações);

  1. Refinancie!

Com o passar do tempo, pode ocorrer de aparecerem oportunidades mais interressantes para o pagamento da sua dívida, empresas não estão sempre no seu melhor momento, elas oscilam como nós! Caso ocorra de uma precisar de devedores, você pode se colocar entre eles, reduzindo sua taxa de juros.

 

Conhecimento é um arma poderosa frente às armadilhas da vida, no entanto, de nada vale sem a aplicação. Por isso, foram passadas formas de eliminar as dívidas que podem ser utilizadas antes, durante e depois de contraídas, dando assim a oportunidade para qualquer leitor, esteja ele em um momento financeiramente desafiador ou não, se beneficiar trazendo as dicas para sua própria realidade.

Apresentado o conteúdo, é feita a pergunta mais frequente em uma consultoria que se respeite: faz sentido para você?

Caso faça, compatilhe com seus conhecidos, eles também são pessoas que, se não precisam,  farão bom uso destas informações.

Fonte: 

Curtiu? Coloque aqui o seu E-Mail e receba os próximos artigos!